O Mar no Imaginário Religioso: Cultos, Espaços, Representações
Dias 26-28 de outubro, em Lisboa, na NOVA FCSH (Torre B, Auditório 1)


 

 

Data: 26-28 de novembro, 2018.
Local: Lisboa.
Organização: IEM - Instituto de Estudos Medievais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa; CEHR - Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa; CHAM - Centro de Humanidades da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e da Universidade dos Açores; IHC - Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.
Apoio: Museu Nacional de Arte Antiga.
Comissão Organizadora: Gonçalo Melo da Silva (
IEM-NOVA FCSH), João Luís Inglês Fontes (IEM-NOVA FCSH; CEHR-UCP), Maria Filomena Andrade (UAb; CEHR-UCP; IEM-NOVA FCSH), António Camões Gouveia (CHAM-NOVA FCSH; CEHR-UCP).
Comissão Científica: Álvaro Garrido (Univ. Coimbra); Amélia Aguiar Andrade (Univ. Nova de Lisboa); Amélia Polónia (Univ. Porto); Ana Paiva Morais (Univ. Nova de Lisboa); Ana Paula Avelar (Univ. Aberta); Cristina Brito (Univ. Nova de Lisboa); Francisco Caramelo (Univ. Nova de Lisboa); Isabel Almeida (Univ. Lisboa); João Leal (Univ. Nova de Lisboa); José Augusto Ramos (Univ. Lisboa); Margarida Lalanda (Univ. Açores); Maria Helena da Cruz Coelho (Univ. de Coimbra); Maria Inácia Rezola (Univ. Nova de Lisboa); Maria João Branco (Univ. Nova de Lisboa); Nuno Estêvão (Univ. Católica); Paulo Fontes (Univ. Católica).


Cartaz [ver]


Ao longo da História, o Mar Oceano provocou sempre diferentes reações no imaginário do Homem. Era um espaço de mistérios, de medos e do desconhecido. Por ele chegavam povos invasores, piratas e corsários, inundações e tempestades espalhando a destruição e o caos. Quem se atrevia a enfrentá-lo desafiava ainda outros perigos, como naufrágios ou um sem fim de monstros marinhos. Mas o Mar era também um espaço de aventura e riquezas, por onde se atingiam novos reinos, descobriam mercados exóticos e construíam grandes fortunas. No Mar ou à sua beira, o Homem pedia a intercessão divina, fosse para enfrentar os seus perigos, fosse para alcançar os seus sonhos. Invocava divindades, dedicava-lhes as embarcações, visitava os seus santuários, prestava culto, fazia as suas oferendas ou trazia consigo os seus símbolos. Por fim, escrevia ou contava a sua experiência, os seus temores ou as suas alegrias, contribuindo para alimentar o imaginário em torno do Mar.

A relação do Mar com a Religião representa um campo de estudo rico e promissor, mas ainda pouco explorado. Nesse sentido, o IEM, o CHAM, o IHC, o IELT, no âmbito da Cátedra UNESCO: O Património Cultural dos Oceanos, e o Centro de Estudos de História Religiosa da UCP dão início a um ciclo de colóquios anuais sobre esta temática, organizando nos próximos dias 26-28 de novembro de 2018 as Jornadas Internacionais “O Mar no Imaginário Religioso: Cultos, Espaços, Representações”. O evento pretende explorar a presença do mar no imaginário religioso, numa perspetiva diacrónica e multidisciplinar, em função das seguintes problemáticas:

  1. A procura de proteção contra o mar: cultos e memórias hagiográficas
  2. Os santuários e os espaços religiosos: história, património e funcionalidades
  3. Discursos e representações religiosos sobre o imaginário marítimo: literatura, liturgia, iconografia e música.

Informações e inscrições

Inscrições abertas a partir de dia 1 de outubro, para o email: iem.geral@fcsh.unl.pt
Público em geral: 30€
Estudantes do ensino superior: 20€
Investigadores integrados IEM, CEHR, CHAM, IELT, IHC e estudantes da FCSH e UCP: gratuito [obrigatória inscrição prévia]


PROGRAMA

26 de Novembro

14h30 – Sessão de Abertura (Director da FCSH, representante Cátedra, IEM, CEHR, CHAM, IELT, IHC).

15h00 – Conferência inaugural:

José Augusto Ramos (CH-FLUL) – O mar nos textos religiosos antigos.

15h30 – Pausa.

16h00 – 1ª sessão:

Francisco Caramelo (NOVA FCSH; CHAM-NOVA FCSH e UAç) – [título a indicar].
Guilherme Borges Pires (CHAM-NOVA FCSH e UAç) – O Mar no Imaginário Religioso Egípcio: Contextos, Representações e Perguntas.
João Pedro Bernardes (UAlg-CEAACP) – A dimensão religiosa do mar no sul da Lusitânia Romana.

17h30 – Debate.

27 de Novembro

9h30 – 2ª sessão:

Ana Paiva Morais (IELT-NOVA FCSH) – Desejar o Paraíso Terreal – construções do espaço marítimo no Conto de Amaro.
Lorena Pazos Romero (IEM-NOVA FCSH) – A centralidade do mar e da illa na viaxe de San Trezenzonio.

10h30 – Debate.

11h00 – Pausa.

11h30 – 3ª sessão:

Carlos Carreto (IELT-NOVA FCSH) – Sacralidades fluidas. O mar e as fronteiras do conhecimento na ficção medieval.
Paulo Catarino Lopes (IEM-NOVA FCSH) – A centralidade da cristianização do mar na afirmação de Portugal como reino de vocação marítima (sécs. XII-XV).

12h30 – Debate.

13h00 – Almoço.

14h30 – 4ª sessão:

Carla Varela Fernandes (IEM-NOVA FCSH) – O mar como relevante “veiculo” para a formação da santidade e de imagens miraculosas na Idade Média. Alguns exemplos.
Jessica Tearney-Pearce (U. Cambridge) – Worship at sea in the medieval Mediterranean: the case of the Madonna of Trapani.

15h30 – Debate.

16h00 – Pausa.

16h30 – 5ª sessão:

Ana Paula Avelar (UAb) – A cronística da expansão e os ecos de religiosidade na representação narrativa das viagens marítimas.
Cristina Sobral (CLUL) – O mar na hagiografia pós-tridentina (Fr. Diogo do Rosário, 1567).
Zulmira Santos (CITCEM-FLUP) – Funções e representações do mar nos relatos de milagres de S. Francisco Xavier.

18h00 – Debate.

28 de Novembro

9h30 – 6ª sessão:

Blonsom Faria (UFF) – Travessias da Kalunga: A saga dos pretos novos no Porto do Rio de Janeiro, de 1780 a 1821, e suas permanências culturais na religiosidade brasileira de matriz africana.
Álvaro Garrido (FEUC; CEIS20) – O papel da Igreja e do discurso religioso católico na obra de assistência da Organização Corporativa das Pescas.
Francisco Oneto Nunes (CRIA-IUL/ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa) – Da indeterminação do mundo: os santos, o mar, a luz.

11h00 – Debate.

11h30 – Pausa.

12h00 – Conferência:

Maribel Fierro (CSIC) – El mar de los ulemas y santos del Occidente islámico (ss. VIII-XV): vivencias y representaciones.

12h30 – Encerramento dos trabalhos.

13h00 – Almoço.

15h00 – Visita ao Museu Nacional de Arte Antiga, guiada por Joaquim Oliveira Caetano (Pintura) e Maria João Vilhena de Carvalho (Escultura).